Por favor, use este identificador para citar o enlazar este ítem: http://hdl.handle.net/10819/4925
Título : O corpo enfermo e a morte como dádivas: uma análise da antropologia do dom no filme Gritos e sussurros de Ingmar Bergman
Otros títulos : The sick body and death as a gift: a review of the anthropology of the gift in the film Cries and Whispers by Ingmar Bergman
Autor: Barreira Júnior, Edilson Baltazar
Palabras clave : Cinema;Ingmar Bergman;Corpo;Dom e morte;Film;Body;Gift and death
Fecha de publicación : jul-2012
Editorial : Universidad de San Buenaventura - Cali
Citación : Revista Científica Guillermo de Ockham;Vol. 10, No 2. Julio-Diciembre 2012
Resumen : Ingmar Bergman, cineasta sueco, filho de um rigoroso pastor luterano, ao longo da segunda metade do século XX, deu ao mundo preciosidades da sétima arte. A sua filmografia evoca memorias de infância e revela as inquietudes existenciais de adulto, entre as quais estão a existência ou não de Deus, a morte e sua recriação estética. O destaque para as personagens femininas marca o cinema bergmaniano. As mulheres são centrais e os homens periféricos ou meros coadjuvantes Gritos e sussurros (Viskingar och rop, 1972), uma de suas obras-primas, tem esta estampa do feminino. Quatro mulheres estão reclusas numa casa, enquanto uma delas padece de uma doença terminal construindo o seu próprio discurso sobre a enfermidade. São três irmãs e uma criada. A casa está repleta de memórias da infância. Desta forma, busco neste ensaio encontrar um elo entre as relações afetuosas ou a recusa delas, nas personagens de Gritos e sussurros e a noção de dom consoante aparece no Ensaio sobre a dádiva de Marcel Mauss e as reelaborações críticas produzidas por Maurice Godelier em O enigma do dom e Alain Caillé em Antropologia do dom.
Descripción : Ingmar Bergman, swedish film director, son of a strict Lutheran pastor, during the second half of the twentieth century gave the world the seventh art treasures. His filmography evokes memories of childhood and reveals the existential anxieties of adults, among which are the existence of God or no, death and re-creating aesthetic. The emphasis on female characters bergmaniano marks the film. Women are central and men peripheral or mere adjuncts. Cries and Whispers (Viskingar och rop, 1972), one of his masterpieces, has this pattern of female. Four women are secluded in a house, while one of them suffers from a terminal illness by building your own speech about the disease. Three sisters and a maid. The house is full of childhood memories. Thus, this essay I seek to find a link between loving relationships or refusing them, the characters in Cries and Whispers and the notion of gift as it appears in the The gift of Marcel Mauss and reworkings criticisms made by Maurice Godelier in Enigma of the gift and Alain Caillé in Anthropology of gift.
URI : http://hdl.handle.net/10819/4925
ISSN : 1794-192X
2256-3202 (en línea)
Aparece en las colecciones: Guillermo de Ockham : revista científica - Vol. 10, Núm. 2 (2012)

Ficheros en este ítem:
Fichero Descripción Tamaño Formato  
2366-5746-1-PB.pdf172.99 kBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Los ítems de DSpace están protegidos por copyright, con todos los derechos reservados, a menos que se indique lo contrario.